segunda-feira, 13 de julho de 2015

Censura e feminismo.

Há quem desgoste, há quem se agrade. Nos últimos tempos eu decidi abrir espaço pra assuntos que a Giovana de 3 anos atrás talvez nem conhecesse, pesquisasse ou tivesse interesse em se posicionar e tratar por aqui. Mudanças, porque não fazê-las? Eu cada vez mais tenho buscado me informar, entender sobre certos assuntos que me intrigam e hoje vou falar um pouco sobre censura e feminismo, que é pauta para vários dos meus questionamentos, é importante lembrar que cada um tem sua visão sobre o mundo (eu por exemplo, sou míope hehehe), vamos levar como opinião própria, nem todo mundo precisa concordar, né?
     
                 

Eu não sabia o que era feminismo e muito menos que existia movimentos e lutas para que isso se tornasse visível, e mesmo assim eu já tinha isso em mim, sem essa definição concreta mas com muitas perguntas que vinham de mim desde criança. Eu buscava entender o porque dessa enorme censura em cima das meninas, afinal eu era uma criança (e pela visão de muitos, eu ainda sou) e o que era censurado nem estava ligado a malícia. Pra algumas pessoas é mais fácil ignorar, afinal, sempre vivemos assim né? "Questões biológicas", os meninos podem andar sem camisa, se sentarem da forma que se sentiram confortáveis. Já se uma menina sentasse de qualquer modo mais despojado ou talvez falasse em tom mais alto: "SE COMPORTE COMO UMA MENINA!" 

E o que era se comportar como uma menina?
Desde pequena eu convivi neste mundo. Meu enxoval era rosa, assim que nasci tive as orelhas furadas, era praticamente imposto pra mim me comportar "como uma menina", e das mais educadas e delicadas. Até que você começa a perceber que não é só o aspecto "azul para menino, rosa para menina", as coisas vão muito além e ficam mais graves. Ele se torna: o homem ganhando mais exercendo o mesmo cargo que a mulher, só homens são aceitos para certos trabalhos, você mulher, deve aceitar que em muitas situações políticas ou do cotidiano, você é inferior ao sexo masculino.

São regras vindas de todos os lados. Eu buscava entender porque muitas vezes eu ouvia um "queria ter nascido homem!". Falar alto te torna vulgar, números te tornam vulgar, sua roupa, sua maquiagem, suas escolhas. É ignorado o fato de que você como pessoa tem liberdade pra ser quem quiser ser, sair com quantas pessoas quiser, namorar quantas forem da sua vontade, falar no tom em que você acha certo, só cabe a você decidir o tamanho da saia que você vai usar ou a cor do batom que lhe agrada. E não, não são lésbicas, são mulheres de opinião. Ou você acha que o estupro pode ser justificado com base na roupa da vítima? 

Opiniões geradas pelo conceito de liberdade, o feminismo não faz com que eu comemore a morte de um homem ou queira que a raça seja exterminada. O feminismo me faz ter argumentos e entender mais sobre a sociedade extremamente machista que vivemos hoje. Se você parar pra pensar, não é nada muito diferente do racismo ou da homofobia. Há um preconceito da sociedade em cima de quem luta pela sua opinião e pela sua liberdade. 

Quem vai decidir o que você faz com o seu corpo? O tema "feminismo" aborda vários outros como a legalização do aborto, temas ligados aos crimes contra a mulher e outros. 
E não, eu não concordo com todos os grupos feministas, com todas as regras e todas as lutas. Assim como eu decidi sair da zona machista de rotular a mulher pela sua aparência ou não dar tanta atenção a liberdade que é direito de todos, eu também posso ter opinião oposta de algumas delas. E porque não? Um cristão continua sendo por mais que não concorde e siga tudo o que é imposto e dito na Bíblia, não é mesmo?

A censura está ai, na televisão, na internet, nas músicas, em todo tipo de mídia para coagir as mulheres de serem quem elas são. 
O conceito de feminismo pra mim não é colocar a mulher acima do homem, e sim de igualdade. Somos iguais, não importa sexo, cor, raça, orientação sexual e gostos. 
Ter mais sapatos do que livros não me tornam uma mulher menos interessante do que as que possuem o contrário. Ter gostos diferentes da maioria delas não faz com que eu seja menos mulher. Eu posso ser discreta, eu não preciso ser o que eles querem. Posso querer não ter filhos, ou não casar. Eu também posso ser mais extravagante. Ninguém além de mim mesma, deve decidir o que eu vou vestir, como devo me portar, e o que eu devo fazer com o meu corpo. Não é uma luta só das mulheres, é uma luta que deveria ser válida para qualquer ser humano que é a favor da liberdade. Não são só os negros, gays e sofrem preconceitos e querem mudar isso. Não a censura. Se nós não buscarmos ser livres, quem vai? WE CAN DO IT!



Algumas matérias que me inspiram a pensar como penso hoje:

Somos netas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar
20 artistas mulheres que o mundo provavelmente nunca considerou mais importantes do que qualquer quadro do Picasso ou desses homens artistas aí
Mulheres artistas: nem tudo é sofrimento
O que é empoderamento?
Pessoas que controlam nosso corpo

           
         
         

"..descobri que o feminismo não é apenas combativo, é também sobre acolhimento. Entendi que é necessário construir ligações para que eu seja ouvida sem precisar da exaustão de impor à força minha voz."
Revista Capitolina - (Taís Bravo)

                                                   

0 It Girl Comentaram !: